Veio da costa com sorrir de quem chegava cedo
Trazia histórias de baleias de marés e medo
E aquela gente que nunca tinha visto o mar contado
Ouvia tudo como segredo que é revelado

E a filha do carpinteiro que era como uma sereia
Tão boa como água mansa fêmea como a lua cheia
De crescer água na boca de sonhar a noite inteira
Punha-me a pensar sozinho que ainda a deitava na eira

[Refrão]
Ai caramba!
Aquilo é que havia de ser caramba
Palavra de honra
Só me arrependia do que não fizesse
Ai se eu pudesse catraia
Levava-te a navegar
O teu lenço, a tua saia
Deitava os dois ao mar
E era o que Deus quisesse,
Ai catraia se eu pudesse...
E era o que Deus quisesse,
Ai catraia se eu pudesse...

Raio de moça que já me põe a falar sozinho
Ainda hei-de um dia aparecer-lhe à curva do caminho
Quando a nascente se levantar lá das terras da sorte
Hei-de dizer-lhe que é mais bravia que o vento norte

E um dia de manhãzinha o pescador perdeu o medo
E foi bater-lhe à porta e disse eu quero contar-te um segredo
E ela pior que as marés deu-lhe a resposta despachada
Mais mas é de volta ao mar que tu daqui não levas nada

[Refrão]

Ai se eu pudesse...

Ai caramba
Aquilo é que havia de ser caramba
Palavra de honra
Só me arrependia do que não fizesse

[Refrão]

Ai caramba!
Aquilo é que havia de ser caramba
Palavra de honra
Só me arrependia do que não fizesse
Ai se eu pudesse catraia
Levava-te a navegar
O teu lenço, a tua saia
Deitava os dois ao mar
E era o que Deus quisesse,
E era o que Deus quisesse,
Ai catraia se eu pudesse...

Vidéo Incorrecte?